segunda-feira, 19 de junho de 2017

No fim das contas, sempre tento tirar algo bom num lance ruim

Olá! Olha só quem voltou!
Pois é, eu mesma, duuuuh.

Como sempre (?), não ando muito inspirada a postar. Minha vida anda tão pacata e simplória que nem sempre sei o que fazer. Hoje de madrugada, fiquei assistindo Shingeki no Kyojin 2 e minha cabeça praticamente explodiu e, pela primeira vez, nunca fiquei tão "feliz" em ler spoilers do mangá (partes das quais não cheguei ainda) nos comentários. "OMFG, PRECISO VER, PRECISO DE MAIS, QUERO MAIS!!!!" foi tudo o que pensei.
Comecei a assistir também Boku no Hero Academia (detonei em dois dias, cheguei até onde lançou), que é bom pacas', tem personagens maravilhosos e a trilha sonora idem. Recomendo demais (chorei já no segundo episódio HSUEHAUHAUSHAU)!

Enfim. Não é disso que vim falar (embora quisesse).

Resolvi fazer uma postagem dessas à partir de uma conversa de WhatsApp recente com uma amiga, que perguntou como anda minha vida e tudo mais. Eis que ela me pergunta dos trampos e... É, andam ruins (dizer "péssimo" seria até exagero).

Pensei comigo se postava isso na integra, mas a gente sabe como esse lance da internet funciona, né? Resolvi resumir bem resumido, mas ao invés de só postar o negativo, resolvi tirar algo de bom. A gente sempre aprende alguma coisinha, mesmo que seja MUITO ÓBVIO!

Mas vamos lá...

Você gosta de ser enrolado(a)? Provavelmente a resposta parece ser bem óbvia: ninguém gosta, certo?
Veja bem, imagina que você combina de sair num rolê com amigos e todo mundo pensa "nossa, ninguém vai chegar na hora, vou chegar uma hora depois"... Acontece que tem sempre aquele que consegue chegar na hora ou 5 minutos depois (e eu sou esse tipo de pessoa). Isso quando não manda mensagem e tem gente que ainda fala "tô chegando", quando na real, nem ônibus/metrô pegou ainda! Seriously?
Ninguém curte esse tipo de coisa. A gente ainda "perdoa" (com um fundinho de raiva, mas perdoa), mas quando a coisa é mais séria mesmo, um compromisso de negócios ou coisa assim, parece que os ares mudam. No entanto, parece que tem gente não se liga muito quando falamos de prazo ou quando a coisa realmente aperta.

Passei por um sufoco bem grande durante alguns meses. Fui indicada por uma amiga (quem diria que networking realmente é importante) pra um trampo e pensei "ok, beleza". Por ser um lugar só com estudantes, não iam me pagar nada, só pela experiência.
Realmente, a crise no mundo dos negócios tá bravo e mesmo com um CV incrível, você ainda rala muito pra conseguir, pelo menos, uma entrevista (isso se passar pra uma próxima fase). É desanimador!

Não vim falar como está o mercado, minha procura por emprego (pois já devo ter citado isso umas mil vezes em muitas postagens), mas sim de pessoas. O meu trampo é home office, mas acreditem ou não, o estresse é (quase) o mesmo de um trabalho normal, principalmente quando o assunto é: pessoas E prazos (sim, os dois).


Precisava de uns documentos, coisa de separar 10~20 minutos pra ler com calma e assinar... Adivinha o que acontece? A pessoa responsável demora praticamente um mês (e pouco) pra me retornar as coisas. Assim, não gostaria de pressionar, mas... Tenho um prazo bem importante. Se ultrapassar disso, posso estar simplesmente ferrada (praticamente sendo sarcástica e fazendo essa pose do Loki no gif)!
Resumindo: simplesmente me enrolaram, me fizeram passar M U I T A raiva, mas no fim das contas, deu certo e os documentos foram entregues. Espero que continue assim, tudo certo.

A questão aqui não é só que o sujeito me fez passar raiva, comigo mandando mil mensagens via WhatsApp, prometendo algo e não cumprindo, cobrando o que preciso fazer, o que ele quer que eu faça etc e tal... Mas sim: essa pessoa leva a sério as coisas que faz? Não só no ambiente de trabalho, mas na vida pessoal? Ainda que o mesmo quer lançar uma marca. Fiquei seriamente pensando: lançar como desse jeito?
As coisas andam tão devagar que está me lembrando justamente os rolês que marcava com meus amigos e eu era praticamente uma das únicas que chegava primeiro e o resto uma hora (ou mais) depois. Ninguém leva em conta que o tempo é precioso e que ninguém merece desgaste mental. Sei que a comparação de situações parece ser injusta, mas pensa que se foi marcado algo, por quê raios você simplesmente não vai lá e cumpre o que foi proposto (tudo bem que numa saída com amigos, é normal ocorrer imprevistos, a gente sabe)? Me enrolaram tanto pra entregar uns papéis, imagina um projeto importante! Juro pra vocês que não consigo entender esse tipo de coisa e o motivo pelo qual acontece. Será que estou sendo tão chata?
Fracamente, a minha vontade foi de desistir muitas vezes, mas tentei manter ao máximo meus pés no chão. Minha paciência, não que eu tenha, tem limite!

Depois desses meses passarem, deitava minha cabeça no travesseiro todos os dias me perguntando se falhei em alguma coisa, especialmente nesse caso em que passei... Pode parecer arrogância da minha parte, porém, senti que não houve... No entanto, aprendi muitas coisas, que na verdade eram óbvias, só que na hora a gente não lembra (inacreditável mesmo), mas o consciente tá ali "para de ser trouxa, por favor!!!!":
• Não deixem que te enrolem! COBRE! Seja bem pulso firme e seja cuidadoso(a) com as palavras;

• Lembra no começo que comentei que não iam me pagar nada pelo trampo? Não caia nessa também. Sério. Sei que o desespero bate muitas vezes na porta, você até pode aceitar, mas se ver que estão abusando muito da sua boa vontade, CAÍA FORA. Não vale a pena. Sua saúde mental, sua mão de obra e dignidade agradecem;

• TEMPO É PRECIOSO!;

• Salve todos os e-mails e conversas (é possível fazer backup de conversas no WhatsApp ou pode tirar prints e guardar na nuvem ou em anexo ao próprio e-mail) para uma eventual emergência. Hoje em dia não dá pra achar que todo mundo é "bonzinho e que vai passar a mão na sua cabeça";

• Prometeram um negócio e não cumpriram? Lembra do primeiro tópico? Exato! COBRE! Se tentarem te passar a perna, só lembrar daquele print e/ou backup daquela conversa por email/WhatsApp.

Não sei se é algum defeito (?) extrair algo bom disso, a gente sempre tenta não se passar por trouxa de novo. No fim, acho que o texto ficou mais um "desabafo" do que alguma coisa pra compartilhar experiências.

Me perdoem por esse tipo de postagem, se ficou confusa ou coisa assim. Realmente não é fácil ficar relembrando e do nada a cabeça ficar quente só de recordar dessas coisas. Depois de "desabafar" (se é que posso dizer assim), tenho mais noção que estou de consciência tranquila (ainda bem, HAHAHAHA) e que eu aprenda com toda essa situação.

Bora' nos dedicarmos no que realmente gostamos e fazemos melhor ♥
Um gif do Yuri fofinho pra nos lembrarmos disso.


É isso.
Até a próxima!

Nota pessoal: finalmente terminei essa postagem. Não sei quantas vezes tive que refazê-lo porque cada hora ficava um verdadeiro Frankstein de fatos. AGORA VAI! (*•̀ᴗ•́*)و ̑̑

Um comentário:

  1. Me identifiquei muito com o que você falou, até mês passado tava num trampo insuportável, minha chefe só fazia ferrar meu psicológico e eu trabalhava muito pra receber quase nada só por consideração, foi ai que eu me toquei que aquilo não tava dando em nada e acabei saindo do emprego. Ai passei esse mês todo me culpando de ter saído e entrei de paraquedas nesse post! Você tirou um peso das minhas costas com esse post, obrigada❤️

    ResponderExcluir

Antes de tudo: tenha bom senso ao fazer seu comentário.
Qualquer inconveniência, spam e "seguindo, me segue de volta" será ignorado (e apagado).

Obrigada por comentar e visitar meu blog! ♥